Estudo e Trabalho pelo mundo

Descubra onde trabalhar legalmente enquanto estuda idioma

Você já pensou em fazer intercâmbio para melhorar no idioma só que por um longo tempo, mas achou que ficaria fora do orçamento?

Saiba que é possível trabalhar legalmente enquanto estuda! Tornando o intercâmbio de longo prazo uma realidade. Pois é possível recuperar o dinheiro investido e ainda juntar uma grana para planejar o próximo

Fique aqui e descubra onde você pode estudar idiomas e trabalhar enquanto está no intercâmbio.

Onde ir?

Nós, brasileiros, podemos trabalhar legalmente durante o intercâmbio em seis países. Em cinco para estudar inglês e um para espanhol. Conheça abaixo quais são os países e já planeje o seu.

Os países são: Irlanda, Austrália, Nova Zelândia, Malta, Dubai (Emirados Árabes) e Espanha

Como estudar e trabalhar na Irlanda?

Para conseguir fazer o programa de estudo e trabalho na Irlanda você vai precisar de um curso de inglês com no mínimo 15 horas de aula por semana, sendo em horário diurno. O curso deve ter duração de 25 semanas. Além do período de aulas, você pode ficar mais 8 semanas de férias. O estudante pode trabalhar 20 horas por semana enquanto estuda e 40 horas por semana durante as férias.

Para ter permissão de trabalho é preciso do visto. A vantagem da Irlanda é que o visto você tira depois que chega no país. 

Para tirar o visto você vai precisar: carta da escola, seguro governamental obrigatório (já contratado junto com seu intercâmbio), comprovação financeira (são 3 mil euros, que o governo considera o suficiente para você se manter) e o pagamento da taxa do visto, que é de 300 euros.

Como estudar e trabalhar na Austrália?

O programa de estudo e trabalho na Austrália é diferente da Irlanda no seguinte quesito; não há um tempo fixo de semanas para ter a permissão de trabalho. A partir de 14 semanas já é possível trabalhar. Para isso você precisa de um curso com no mínimo 20 horas de aulas por semana. Você também pode trabalhar meio período durante as aulas e 40 horas durante as férias.

Lembrando que na Austrália é necessário contratar o seguro OSHC (Overseas Student Health Cover) e já incluir o período de férias dentro do período acobertado pelo OSHC.

Como estudar e trabalhar na Nova Zelândia?

O programa na Nova Zelândia é parecido com a Austrália. Você já tem permissão de trabalho com curso a partir de 14 semanas, com curso de 20 horas de aula por semana.

Para ter a permissão de trabalho é preciso estudar numa escola de Categoria 1 pela NZQA (New Zealand Qualifications Authority). A diferença para a Austrália é que não tem férias para os cursos de inglês.

E o estudante pode trabalhar 20 horas por semana.

Como estudar e trabalhar em Malta?

Mais um país europeu onde podemos estudar e inglês e trabalhar. Como este programa é relativamente novo no país há algumas regrinhas diferentes dos demais. 

Você vai precisar de pelo menos 6 meses de curso de inglês, com pelo menos 15 horas de aula por semana. O estudante só pode começar a trabalhar a partir do 91º dia de intercâmbio, depois de ter estendido o visto e ter obtido a oferta de trabalho com o empregador.

Você poderá trabalhar por 20 horas semanais. E a comprovação financeira é variável; 30 euros por dia, ou  18 euros por dia se você já tiver a acomodação.

Como estudar e trabalhar em Dubai?

Mesmo não sendo o idioma oficial do país, mais de 80% da população dos Emirados Árabes falam inglês, tornando possível o programa de estudo e trabalho enquanto estuda o idioma.

Para ter permissão de trabalho é preciso de um curso de inglês a partir de 12 semanas e ter no mínimo 15 horas de aula por semana. A maior vantagem de Dubai é que não há limite de horas para trabalhar, contanto que o trabalho não atrapalhe as aulas. 

Como estudar e trabalhar na Espanha?

Único com país que temos permissão de trabalho enquanto estudamos espanhol. É uma ótima opção para quem pretende se aprofundar no idioma.

Para participar do programa de estudo e trabalho é preciso pelo menos 6 meses de curso com 15 horas de aula por semana. Mas a permissão de trabalho não é automática. O estudante precisa da seguinte documentação: empadronamiento (registro da sua acomodação), NIE – número de identidad de extrajeiro, conta em um banco na Espanha e a oferta de trabalho.

Não importa o país, ou o idioma fazer um intercâmbio de estudo e trabalho é sempre uma boa opção. Os países que os brasileiros podem fazer esse tipo de programa tem moedas mais valorizadas que a nossa permitindo sempre o retorno do investimento para ir. Além dos benefícios que o intercâmbio proporciona, poder trabalhar e receber em moeda forte é uma vantagem que deve ser adicionado a lista de prós no planejamento do seu intercâmbio.

Ficou com vontade de ir e quer saber mais? Entre em contato com a gente.

Deixe seu comentário